Nesta terça Dia Internacional da Sídrome de Down será lembrado com ações e conscientização nas escolas de Gravatá

21 de março de 2017

 

A Secretaria Municipal de Educação de Gravatá preparou  uma programação especial para os alunos de todas as escolas de Gravatá para lembrar o Dia Internacional da Síndrome de Down, que acontece neste dia 21 de março.  Estão previstas a exibição de filmes e palestras sobre o tema com o objetivo de trazer mais esclarecimentos aos estudantes com o intuito de reduzir o preconceito, promover a integração e formar rede colaborativa nas escolas. Na rede municipal de Gravatá existe atualmente cerca de 220 alunos com alguma deficiência.

A data foi referendada no ano de 2006 pela Organização das Nações Unidas – ONU para  dar visibilidade ao tema, reduzindo a origem do preconceito, que é a falta de informação correta. E ainda  visa chamar a atenção especialmente das pessoas pouco informadas sobre as capacidades das pessoas com a Síndrome de Down, que possuem tantas outras características quanto os demais seres humanos, ou seja, a síndrome não as define.

Dentre os 365 dias do ano, o “21/03” foi inteligentemente escolhido porque a Síndrome de Down é uma alteração genética no cromossomo “21”, que deve ser formado por um par, mas no caso das pessoas com a síndrome, aparece com “3” exemplares (trissomia). A síndrome pode causar muitas  vezes problemas de audição e/ou visão; atraso no desenvolvimento intelectual e da fala, dentre alguns outros, mas são questões pontuais e de saúde, a serem detectadas e tratadas medica e terapeuticamente, que de maneira alguma definem qualquer prognóstico, ou seja, ninguém jamais pode prever até onde pode chegar o desenvolvimento das pessoas com síndrome de Down – assim como das demais pessoas.

A secretária de Educação Ana Patrícia revela que a iniciativa tem por intuito despertar nos alunos o respeito pelas diferenças no ambiente escolar. “A informação evita a criação de estereótipos. A convivência saudável entre seres humanos com diferenças traz um crescimento para ambas as partes. A síndrome não deve ser um elemento limitador ou uma barreira para um jovem, afinal todos nós temos algum tipo de limitação, são desafios que devem ser vencidos por cada um e um ambiente favorável ajuda muito” disse.

Last modified: 21 de março de 2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *