Gravatá Jazz Festival começa levando blues e jazz ao agreste pernambucano

10 de fevereiro de 2018

A terceira edição do Gravatá Jazz Festival (GJF), já consolidado como a melhor opção para quem deseja curtir a folia de Momo longe da agitação, mas com muita diversão, segurança e música de qualidade, começa neste sábado (13), espalhando os timbres do jazz e do blues pelas ruas de Gravatá, município do Agreste pernambucano localizado a 84 km de distância do Recife. No sábado de Zé Pereira, quem abre a programação do festival, às 19h30, no palco principal do evento, localizado no Parque Chucre Zarzar, é a banda 15 de Novembro, grupo formado por artistas locais com atuação sociocultural, já que os integrantes buscam socializar crianças e jovens carentes através de uma escola de música. No show, a banda contará com a participação especial do guitarrista argentino-carioca Victor Biglione.

Em seguida, às 20h30, é a vez do recifense Amaro Freitas mostrar ao público todo o seu talento. Ele, que atua como pianista, tecladista, compositor, arranjador e diretor musical, é uma das principais revelações do jazz da nova geração no Brasil. O artista atualmente divulga pelo País o seu álbum de estreia, “Sangue Negro”, bastante elogiado pela crítica e com cinco temas de sua autoria. No GJF, ele se apresenta acompanhando do contrabaixista Jean Elton e do batrista Hugo Medeiros – também parceiros de gravação. Na composição do repertório, Amaro aposta numa sonoridade que mistura minimalismo, bebop, afrojazz, samba, frevo e balada. Músicas inéditas serão apresentadas em sua apresentação no festival.

Fechando a programação do palco principal do Gravatá Jazz, o guitarrista Victor Biglione, argentino radicado no Brasil, retorna ao palco às 21h30 para um grande show. Com uma sólida carreira internacional, tendo trabalhado com nomes como Manhattan Transfer, Steve Hackett (Genesis), Andy Summers (The Police), Lee Konitz, entre outros, é considerado o músico estrangeiro com a maior contribuição em gravações e shows na história da MPB. Na bagagem, o guitarrista traz inúmeras participações em festivais de jazz pelo mundo e oito prêmios por trilhas sonoras de cinema.

No festival, Biglione se apresenta ao lado de Alma Thomas, cantora, compositora e arranjadora nova-iorquina radicada no Brasil há 14 anos. Esta é a primeira vez da estrela em Pernambuco. Desde sua participação no programa “The Voice Brasil” (TV Globo), em 2012, Alma acumula cada vez mais fãs pelo País, sendo reconhecida como uma das vozes mais limpas, flexíveis e marcantes já ouvidas no cenário do jazz e do blues. A artista também transita com tranquilidade pela bossa nova, samba e MPB, construindo sua carreira em cima dessa mistura rítmica multicultural. Ao todo, Alma possui três álbuns autorais gravados. Também tem temas com sua interpretação incluídos nos filmes “Se Eu Fosse Você” e “De Pernas pro Ar” e nas novelas “Passione” e “Pega Pega”, da Rede Globo. Para sua parceria com Biglione no GJF, a americana planeja uma homenagem especial à cantora Etta James.

 

 

Programação

 

  • Palco Principal

 

Sábado de Zé Pereira, 10

19h30 – Banda 15 de Novembro

20h30 – Amaro Freitas Trio

21h30 – Victor Biglione & Alma Thomas

 

 

 

 

 

Last modified: 11 de fevereiro de 2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *